Alcance sua independência financeira!

Assine Nosso Feed!

  • Receba artigos e informações valiosas para se destacar no mercado financeiro e ganhar dinheiro.
  • Fique tranquilo(a), sua privacidade será respeitada.


  • terça-feira, 25 de junho de 2013

    Como o INSS calcula as aposentadorias?

    A aposentadoria oficial - aquela paga pelo INSS - está longe de ser a ideal e frequentemente assistimos na mídia as pessoas fazendo malabarismos com o pouco que ganham para sobreviver e conseguir pagar todas as contas.



    Fato certo é que as condições para a aposentadoria tendem a ficar cada vez mais endurecidas visto que com o aumento na expectativa de vida o número de idosos tende a aumentar exponencialmente gerando maiores custos que se irão aumentar o rombo (já existente) do INSS. Além disso, as fraudes (aposentados por invalidez que não deveriam estar aposentados) e problemas (individuos que deveriam se aposentar e não conseguem) devem ser atacado duramente pelo governo nos próximos anos.

    A despeito das mudanças que devem (e irão ocorrer), como o INSS calcula as aposentadorias?

    Segundo dados da página oficial do instituto:

    "Para a aposentadoria integral, será de 100% do salário de benefício. Para aposentadoria proporcional, de 70% do salário de benefício, mais 5% a cada ano completo de contribuição posterior ao tempo mínimo exigido.

    O salário de benefício dos trabalhadores inscritos até 28 de novembro de 1999 corresponderá à média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição, corrigidos monetariamente, desde julho de 1994. Para os inscritos a partir de 29 de novembro de 1999, o salário de benefício será a média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição de todo o período contributivo, corrigidos monetariamente.  Em ambos os casos será aplicado o  fator previdenciário.

    Caso não haja contribuições depois de julho de 1994, o valor do benefício será de um salário-mínimo."

    Resumindo: deixando de lado os detalhes pontuais e os casos especiais presentes na legislação, via de regra, o INSS analisa as maiores contribuições (correspondentes à 80% do total), faz uma média aritmética delas e aplica o fator previdenciário de acordo com a lei, respeitando sempre o teto do valor das aposentadorias. Assim, hoje em dia não adianta realizar uma contribuição maior somente no inicio ou no fim do período contributivo, pois o que irá valer é a média de todo o período - que convenhamos - não é pequeno.

    Um benefício que não pode ser desprezado

    Apesar dos benefícios pagos pelo INSS serem muitas vezes muito baixos, eles não podem ser desprezados, visto que podem muito bem complementar um outro plano de aposentadoria, seja uma carteira de ações, ou uma renda fixa.

    Além disso, o INSS é o plano mais completo do mercado, pois oferece cobertura em caso de invalidez permanente ou temporária, auxilio acidente dentro outros benefícios (apesar de toda a burocracia para se ter acesso à eles).

    Só INSS basta?

    É claro que não! Principalmente para aqueles que estão no inicio do período contributivo, investir em planos mais arrojados, como uma carteira de ações, focar em dividendos ou mesmo realizar um mix de investimentos através da alocação de ativos é muito importante, pois como já escrevi acima, os dois planos (o do INSS e o seu "alternativo") podem perfeitamente se complementar no futuro e engordar o resultado da sua renda passiva.


    Simuladores oficiais

    O INSS disponibiliza em seu site alguns simuladores muito interessantes. Para utiliza-los existe a necessidade de alguns dados pessoais, como o número do NIS, entre outros. Para acessá-los clique aqui.

    Créditos da imagem: freedigitalphotos.net


    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

    2 comentários:

    1. Não sabia como era feito, Obrigado!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá Alvaro! Eu é que agradeço sua visita e fico feliz em ter ajudado! ;) Um grande abraço!

        Excluir